• Padre Carlos Alberto Contieri, SJ

Liturgia Diária 04/08

Dia 4 - quinta-feira: Jr 31,31-34; Sl 50(51); Mt 16,13-23.

Cesareia de Filipe foi construída por Filipe, um dos filhos de Herodes, o Grande, na época do nascimento de Jesus. Aí se encontra uma das fontes do rio Jordão. Jesus sente e sofre pela rejeição da qual ele é vítima. Não obstante todo bem que Jesus realiza e toda vida que ele transmite por sua palavra e ação, a incredulidade cega muitos de seus contemporâneos e os impede de reconhecer o tempo da visita salvífica de Deus. A dupla pergunta posta por Jesus aos seus discípulos tem um tom de verificação e revela a consciência de Jesus acerca dessa incompreensão que atinge também os Doze (cf. vv.22-23). A confissão de Pedro não é dada por herança, nem por uma faculdade racional; ela é revelação do Pai. É sobre essa fé, comparável a uma rocha inabalável (cf. v.18), que a Igreja está fundada. No evangelho de Mateus, a “pedra” diz respeito também à escuta e a prática da Palavra de Deus; tendo como fundamento essa “rocha” uma casa é capaz de enfrentar adversidades sem desmoronar (cf. 7,24-25). A fé de Pedro precisará passar pela provação da paixão e da morte do Senhor, e conhecer o dia radiante da ressurreição (v.21) para poder ser plenamente vivida e testemunhada. Para Pedro e os demais discípulos, como para cada um de nós, será preciso um longo itinerário de conversão para abrir-se à novidade do messianismo de Jesus e aderir incondicionalmente à Jesus Cristo.