top of page

Liturgia Diária 04/05

Dia 4 - quinta-feira: At 13,13-25; Sl 88(89); Jo 13,16-20.

A última ceia de Jesus com os seus discípulos é uma ceia de adeus em que ele deixa suas duas últimas vontades: fração do pão como memorial e o serviço fraterno. É durante a última ceia e depois de lavar os pés dos discípulos que Jesus pronuncia essas palavras que lemos no evangelho de hoje. Máxima semelhante ao enunciado no v.16, o servo não está acima do seu senhor e o mensageiro não é maior do que aquele que o enviou, nós encontramos em Mateus 10,24-25. Um dos aspectos do discurso de Jesus depois de lavar os pés de seus discípulos é apresentar o específico do discípulo. Em nosso caso há dois aspectos a ressaltar: o discípulo é servo e, como tal, renuncia a todo desejo de poder e prestígio. A consciência de sua condição de servo e a vida coerente com essa vocação é o caminho da felicidade. Na configuração da vida do servo ao seu Senhor está a felicidade. Para o relato, a predição da traição de Jesus por parte de um dos discípulos tem por finalidade prevenir os discípulos e, com isso, o leitor, contra o escândalo que pudesse levar a um certo esmorecimento, ao mesmo tempo que dá uma chave de leitura para compreender o fato (cf. Sl 41,10). É, inclusive, um modo de dizer que a Escritura se cumpre em Jesus. Até mesmo a traição pode ser ocasião de fé na pessoa de Jesus (cf. v.19).

Comments


bottom of page