TERÇA-FEIRA VIII DO TEMPO COMUM

Exemple

Textos: 1Pd 1, 10-16; Sl 97(98); Mc 10, 28-31.

 

A resposta de Jesus ao homem que era possuidor de muitos bens e deseja a vida eterna, deixou os discípulos inseguros e os incitou a um forte questionamento. A afirmação de Pedro deixa entrever o desejo de uma recompensa adequada ao fato de terem deixado tudo para seguirem Jesus. Este diálogo dá a Jesus a possibilidade de afirmar que deixando tudo, em razão do chamado ao seu seguimento, é que se tem o cêntuplo (v. 30). Deixar para ter a plenitude. “Cem vezes mais” não é uma operação matemática; significa que no seguimento de Jesus Cristo tudo adquire sentido para o discípulo, e tudo ocupa o seu devido lugar. A recompensa do discípulo é o chamado a seguir Jesus e o próprio seguimento, pois ele permite a graça de viver a vida do Senhor. A recompensa não é acerto de contas por algo realizado e merecido. Na vida cristã a recompensa é um dom de Deus. A vida eterna, enquanto dom, é a comunhão com o Pai e o Filho (cf. Jo 17, 2.3) no Espírito Santo. Neste sentido, ela não é um dom exclusivo para a “outra vida”, mas uma graça dada na fugacidade do tempo para que se possa desejar esta comunhão na eternidade, onde nossa vida será plenamente transfigurada em Cristo.

P. Carlos Alberto Contieri, SJ.

 


Compartilhe: