TERÇA-FEIRA VII DA PÁSCOA – A.D. 2016

Exemple

Textos: At 20, 17-27; Sl 67(68); Jo 17, 1-11.

 

Parte do discurso de despedida de Jesus, o capítulo 17 é comumente conhecido como a oração sacerdotal de Jesus. Próprio do sacerdote é oferecer a Deus pelo povo sacrifícios e súplicas. O sacrifício oferecido por Jesus é o sacrifício de sua própria vida e as súplicas ele as ofereceu em favor dos seus discípulos para permanecerem fiéis e não esmorecerem diante da perseguição do mundo. Trata-se da parte final do discurso de despedida que é uma longa oração de Jesus dirigida ao Pai. Essa oração tem como ponto fundamental a comunhão entre o Pai e o Filho: a obra que o Filho realiza tem como finalidade manifestar a Glória de Deus, isto é, revelar o mistério de Deus: “Deus é amor” (1Jo 4, 8.16). Realizando a obra de amor o Filho glorifica o Pai e é glorificado por Ele, isto é, é revelado pelo Pai que o ressuscitou dos mortos. Pela ressurreição chega-se a conhecer o que ele era antes da criação do mundo (cf. Jo 1, 1). Por essa comunhão, o Pai deu ao Filho o poder de conceder a vida eterna. A vida eterna dada pelo Filho é comunhão com o Pai e com aquele que ele enviou, Jesus Cristo; é participação na vida divina; é uma vida dada para além da morte.

P. Carlos Alberto Contieri, SJ.

 


Compartilhe: