SEGUNDA-FEIRA IV DA QUARESMA

Exemple

Textos: Is 65, 17-21; Sl 29(30); Jo 4, 43-54.

 

O refrão do Salmo responsorial canta “Eu vos exalto, ó Senhor, pois, me livrastes”. De fato, o Senhor nos livra do desânimo, da falta de esperança, ele cria e recria, perdoa e oferece a oportunidade de, em Cristo, nossa vida ser transfigurada por seu amor: “Eu criarei novos céus e nova terra … Haverá alegria e exultação sem fim… Farei de Jerusalém a cidade de exultação e um povo cheio de alegria” (Is 65, 17-18). Razão da nossa alegria é Jesus Cristo. Nele e por ele todas as coisas e a nossa vida é transformada. Nele nós somos criaturas novas, livres das amarras do pecado que subjuga o ser humano e o desfigura.

Depois das bodas de Caná (Jo 2, 1-11), nosso relato apresenta o segundo sinal de Jesus. O sinal não é evidente por si mesmo uma vez que ele aponta para uma outra realidade. Do ponto de vista do evangelho, o sinal exige discernimento e o salto da fé. Se o que Jesus realiza é visto como sinal, então, ele conduz à fé (cf. Jo 2, 11; 4, 53b; 20, 30-31). Jesus é apresentado como Aquele cuja palavra faz viver. Sua palavra é eficaz; ela realiza o que diz, assim como a palavra de Deus no primeiro relato da criação em que todo o universo conhece a existência pela palavra criadora e eficaz de Deus (Gn 1, 1 – 2, 4a). Não há qualquer gesto feito por Jesus. Há simplesmente uma palavra dita, palavra de Jesus que o funcionário do rei acreditou (vv. 50b.53). Por esta palavra, o funcionário e todos os de sua casa puderam ver irromper um tempo novo em que a vida é transfigurada. A confiança na palavra do Senhor permite viver e constatar que para Deus nada é impossível (cf. Lc 1, 37). Para o leitor deste relato há um convite à confiança na palavra eficaz de Jesus. Esta confiança é um caminho que permite experimentar e conhecer a vida como dom de Deus. Pela palavra do Senhor nos é dado o Espírito Santo e nos é concedido experimentar essa força em nós.

O tempo da quaresma, como itinerário de preparação para a Páscoa de Jesus Cristo, é uma oportunidade maravilhosa de nos dedicarmos à escuta e meditação da Palavra de Deus com maior empenho e dedicação; é um tempo em que nós temos a chance de mover a vontade de confiar profunda e verdadeiramente no Senhor.

P. Carlos Alberto Contieri, SJ.


Compartilhe: