QUARTA-FEIRA V DA QUARESMA

Exemple

Textos: Dn 3, 14-20.24.49.91-92.95; Sl=Dn 3; Jo 8, 31-42.

 

O Deus de Israel, Deus único e verdadeiro, é o Deus que liberta. Assim, ele se apresenta por exemplo na introdução às duas versões do decálogo: “Eu sou Iahweh teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, do país da escravidão” (Ex 20, 1; Dt 5, 6). Deus, como lemos no trecho do profeta Daniel, nos liberta do medo, e pela fé, dá força a Sidrac, Misac e Abdênago para entregarem a vida em favor da fidelidade a Deus, como se lê no final do texto de hoje: eles preferiram “entregar suas vidas a servir qualquer outro deus que não fosse o seu Deus” (Dn 3, 95). Pela fé, nós somos libertados de todos os temores para, na força do Espírito Santo, em meio às adversidades do nosso tempo, darmos testemunho de Jesus Cristo, vencedor do mal e da morte.

Diante da pessoa de Jesus os judeus se dividiam. Se há os que lhe faziam forte oposição e gritarão a sua condenação à morte, há também os que passaram a crer nele. São estes os destinatários desta parte do discurso de Jesus: Jesus disse aos judeus que nele tinham acreditado… (v. 31). No entanto, esses judeus que passaram a acreditar em Jesus continuam na dificuldade de se abrirem ao seu ensinamento e compreenderem em profundidade a sua mensagem, e viverem dessa verdade. A fé de Israel deveria abri-los à novidade de Deus revelada em Jesus Cristo. Pois, a verdade que liberta é a verdade de Deus revelada em Jesus. Essa verdade liberta de uma imagem equivocada e severa de Deus que arranca do coração do ser humano a alegria de viver em Deus. Verdade, aqui, não é movimento do intelecto que busca o acordo entre conceito e realidade, mas algo recebido na fé e que vem da escuta atenta da Palavra encarnada de Deus. É Jesus Cristo, caminho, verdade e vida que liberta da escravidão causada pelo pecado. É essa verdade recebida como dom que permite ao ser humano não se tornar prisioneiro de sua própria mentalidade, inclusive. Como verdade, ela ilumina e orienta a vida em Deus e para Deus.

P. Carlos Alberto Contieri, SJ.

 


Compartilhe: