Museu Anchieta


Semana Santa no Pateo - Tríduo Pascal 2014
São José de Anchieta
Concertos
Celebrações
Schola Cantorum do Pateo do Collegio
Magis 2013
Amigos do Pateo
Quaresma 2014
Casamentos
Bíblia no Pateo
Noites de Reflexão e Espiritualidade
Regulamento
Agendamentos
Acervo
Curso de formação sobre a História do Pateo do Collegio
Histórico
Atendimento
Apresentação
Acervo
Novas aquisições
Consulta ao acervo
Ciclo de Debates 2013 Jesuítas entre fronteiras –O processo missionário da Companhia de Jesus na América latina

Histórico
Museu de Arte Sacra dos Jesuítas
Projeto Descobrindo Embu no Museu
Festa de N. Srª do Rosário
Concertos
Histórico Igreja de Nossa Senhora do Rosário e residência anexa
Ciclo de Palestras 2013
Conhecendo a nossa história
Agenda
Vem pro Pateo no Domingo!
Como chegar
Contate-nos
 

Um elo com o passado dos Jesuítas

Um elo com o passado dos Jesuítas Em 1954, entre as comemorações do IV Centenário da Cidade, foi organizada a "Campanha de Gratidão aos Fundadores de São Paulo”, com a finalidade de recuperar o espaço jesuítico no Pateo do Collegio e devolve-lo à Cia. de Jesus.
Desde a segunda expulsão, em 1759, embora tenham conseguido reassumir as funções de caráter religioso, os jesuítas não haviam recuperado o sítio onde fundaram, em 1554, o colégio que deu origem à cidade. O mesmo se deu com os objetos de culto, que constituíam um precioso acervo acumulado ao longo do tempo.
O retorno da Cia. de Jesus ao Pateo do Collegio só foi efetivado em 1979, ocasião em que foram inaugurados no sítio histórico o Museu e Capela Padre Anchieta. Constituído a partir de doações e da devolução de alguns dos objetos que pertenceram originalmente à Igreja e Colégio dos Jesuítas, o atual acervo do Museu encontrava-se exposto em sua quase totalidade, sem a observância dos critérios essenciais à sua real caracterização e conseqüente valorização. A recente lementação de projeto museológico e museográfico permitiu que os objetos que constituem o acervo fossem identificados, classificados, organizados em coleções e restaurados, de forma a revelar o valor e a credibilidade de que eram portadores.

Cerca de 700 objetos integram as coleções, hoje expostas em sua quase totalidade em seis salas e no espaço da cripta. Indicadores de memória, uma vez que muitos dos objetos que integram o acervo tornaram-se referência única para a história da cidade de São Paulo, não são menos interessantes para o visitante em geral, que neles poderá encontrar a oportunidade de estabelecer um confronto com os seus referenciais.
Um elo com o passado dos Jesuítas 2 Um elo com o passado dos Jesuítas 3 Um elo com o passado dos Jesuítas 4 Um elo com o passado dos Jesuítas 5 Um elo com o passado dos Jesuítas 6

Cronologia:

1554- No dia 25 de janeiro, Pe. Manuel de Paiva celebra missa que oficializa a fundação do Colégio de São Paulo de Piratininga, auxiliado pelo Pe. Afonso Brás e pelo Irmão José de Anchieta. A primeira instalação do colégio era uma cabana de pau a pique de cerca de 90 m2, ou, como descrita por Anchieta, de 10 por 14 passos craveiros (passo craveiro era uma medida linear portuguesa).

1556- O Pe. Afonso Brás finaliza a construção do novo colégio e da Igreja de Bom Jesus, feitos em taipa de pilão (taipa de pilão é uma técnica construtiva de origem ibérica, que consiste em socar em um pilão a terra umedecida, à qual são adicionadas fibras vegetais, areia, estrume, óleo de baleia, e algumas vezes sangue animal, até transforma-la em massa uniforme com a qual são preenchidas estruturas de madeira,
retiradas após a massa estar completamente seca).

1585- Reforma e ampliação do Colégio. Ao lado do Café do Pateo temos uma parede em taipa de pilão remanescente desta reforma.

1640- Em função de desentendimentos com os "bandeirantes", por defenderem os índios, os jesuítas são expulsos de São Paulo.

1653- Fernão Dias Paes, tio do bandeirante de mesmo nome, negocia a volta dos jesuítas para a vila de São Paulo. O Colégio, que havia sofrido sérios danos na ausência dos padres, tem de ser quase todo reconstruído. A grande Igreja e Colégio só ficam totalmente prontos em 1680.

1757- Atendendo a medida geral adotada pela Cia de Jesus, é construída no Colégio dos Jesuítas uma cripta para abrigar os restos mortais dos padres ali falecidos. Antes dessa data, padres e autoridades locais eram enterrados no interior da Igreja de Bom Jesus.

1759- Os jesuítas são expulsos do Brasil por ordem do Marquês de Pombal, ministro da Coroa portuguesa, devido a influência que passaram a ter junto aos índios, fato que assustava os colonizadores portugueses. Os padres tiveram apenas três dias para sair do país, sem poder levar absolutamente nada além da roupa do corpo. O colégio passou a abrigar os governadores, representantes da Coroa Portuguesa.

1765- O Colégio torna-se Palácio dos Governadores. A partir dessa data, a construção de 1680 é absolutamente modificada.

1773- A luta de Pombal contra a Companhia de Jesus não se limitou aos domínios da Coroa portuguesa. Prolongou-se, em conjunto com as cortes bourbónicas, até alcançar o fim pretendido: a extinção da Companhia de Jesus, em 21 de Julho de 1773, por breve do papa Clemente XIV com a Bula “Dominus ac Redemptor" expulsando os jesuítas de toda a América e os suprimindo em todo mundo.

1814- Nesta ano a Compahia de Jesus foi restaurada pelo papa Pio VII, e pode retornar às suas atividades.

1896- A Igreja de Bom Jesus, administrada pela Diocese na ausência dos jesuítas, é demolida. Parte do altar-mor, de 1680, é levada para a Igreja do Sagrado Coração de Maria, na Santa Cecília.
O Pateo do Collegio fica então conhecido como Largo do Palácio.

1932- O Palácio dos Governadores passa a abrigar a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

1953- O sítio histórico da fundação de São Paulo é devolvido aos jesuítas, como um dos marcos iniciais da comemoração dos 400 anos da cidade, em 1954. O prédio do Palácio dos Governadores é demolido. na demolição encontram uma parede de taipa de pilão ainda intacta datando do séc. XVI.

1979- É inaugurado o Museu Anchieta em um memorial construído aos moldes do antigo colégio do séc XVII. Este fora construído no sítio histórico do Pateo do Collegio, assim como a Igreja do Beato José de Anchieta aos moldes da igreja demolida no séc XIX.




 






Prefeitura de São Paulo Governo do Estado de São Paulo Governo Federal Ministério da Cultura