DE ESPERANÇA EM ESPERANÇA – Preparando o Natal do Senhor

Exemple

A partir desta quarta-feira, publicaremos vídeos semanais do P. Carlos Alberto Contieri, SJ (Diretor do complexo histórico, cultural e religioso do Pateo do Collegio) sobre o tempo do Advento.


Um convite à reflexão e à oração, como preparação para o nascimento do Nosso Senhor Jesus Cristo.


Acompanhe no nosso canal no YouTube

Read More →
Compartilhe:
Exemple

Confira nossa política para funcionamento no âmbito da pandemia de Covid-19

MUSEU ANCHIETA

Funcionamento
O horário de funcionamento do museu será de terça a sábado, das 9h às 16h45, podendo ser revisto de acordo com a situação da Pandemia e as orientações das autoridades sanitárias.

Equipamentos

Balcão de atendimento, contendo barreira acrílica entre o visitante e a recepcionista;

  • Totem com álcool em gel na entrada do circuito de visitação.

Procedimentos de atendimento

  • A capacidade máxima de visitantes no interior do museu é limitada a 18 pessoas, divididas em dois grupos de 9 pessoas, cada um dos quais será acompanhado por um monitor do MA;
  • De modo a cumprir a orientação das autoridades públicas relativas à proibição da formação de aglomerações e ao respeito do distanciamento social, não é permitida a permanência de indivíduos sentados nos bancos na recepção e no interior do museu.

Procedimentos para a entrada do visitante

  • Só é permitida a entrada no museu de pessoas portando máscara de forma adequada (cobrindo o nariz e boca), excetuando-se aquelas com menos de dois anos de idade;
  • O visitante deve: 1o) adquirir o ingresso; 2o) guardar bolsas, sacolas e demais pertences no armário, higienizar as mãos antes e após mexer nos armários. Não será permitida a manipulação do aparelho celular durante tempo algum da visita, devendo o mesmo ser guardado no armário junto aos demais pertences.
  • Não é permitida a permanência de mais de 2 visitantes simultaneamente no interior da recepção, a não ser que pertençam ao mesmo núcleo familiar. Caso haja a necessidade de espera, a fila será organizada no jardim interno do Pateo do Collegio, respeitando a sinalização sobre o piso.

Circuito de visitação

  • Todas as visitas serão guiadas exclusivamente, durante o tempo da pandemia, pelos monitores do Museu Anchieta e terão duração máxima de 40 minutos;
  • Os agendamentos poderão ser feitos desde que respeitem os horários e quantidade de visitantes acima definidos;

a. Havendo necessidade de alimentação, antes ou após o horário do agendamento, por parte dos grupos agendados, isto só poderá ocorrer caso optem por consumir os produtos comercializados no Café do Pateo, e nas mesas indicadas para tal.

  • O visitante deve manter o distanciamento social de 2 metros durante todo o percurso;
  • Será informada pelo monitor a capacidade máxima de cada sala do percurso.

Higienização do circuito expositivo

  • Há sanitários disponíveis para o público no jardim interno do Pateo do Collegio;
  • Não há bebedouro no edifício;
  • As portas cuja manipulação seja necessária, por parte dos visitantes, serão higienizadas com álcool 70% no início, no meio e no final do expediente de visitação;
  • Os corrimãos das escadas serão higienizados com álcool 70% no início, no meio e no final do expediente de visitação;
  • O armário da recepção será higienizado com álcool 70% no início, no meio e no final do expediente de visitação.

MUSEU DE ARTE SACRA DOS JESUÍTAS

Funcionamento

O horário de funcionamento do museu será de terça a domingo, das 9h às 17h, com fechamento para almoço das 12 às 13h, podendo este horário ser revisto de acordo com a situação da Pandemia e as orientações das autoridades sanitárias.

Placas informativas

À entrada do museu, do lado externo, há placa informativa indicando horário de funcionamento, valores e regras da instituição para a visita ao MASJ. Há também placa informativa com orientações acerca do distanciamento social e de boas práticas de higiene que são obrigatórias no interior do prédio.

Equipamentos

  • Balcão de atendimento, contendo barreira acrílica entre o visitante e a recepcionista;
  • Totem e dispenser contendo álcool em gel, um na entrada do circuito de visitação; outro junto ao armário onde os visitantes devem deixar bolsas e sacolas;
  • Termômetro digital para aferição da temperatura;
  • Máscara de proteção do tipo face shield para os colaboradores que estão em contato direto com o público.

Procedimentos de atendimento

  • A capacidade máxima de visitantes no interior do museu é limitada a 20 pessoas;
  • De modo a cumprir a orientação das autoridades públicas relativas à proibição da formação de aglomerações e ao respeito do distanciamento social, não é permitida a permanência de indivíduos sentados na escada de entrada para o museu.
  • Visitas espontâneas de indivíduos e pequenos grupos são permitidas, respeitando a capacidade máxima de visitantes preestabelecida. Quando atingida a capacidade máxima, as pessoas devem aguardar a saída dos visitantes, para poder adentrar ao prédio.

Procedimentos para a entrada do visitante

  • Antes de entrar no museu, a temperatura do visitante é aferida pelo segurança. Caso a medição seja superior a 37,5ºC, a pessoa será impedida de entrar, em conformidade com as orientações das autoridades públicas.
  • Só é permitida a entrada no museu de pessoas, com mais de dois anos de idade, portando máscara de forma adequada (cobrindo o nariz e boca);
  • O visitante deve: 1º) adquirir o ingresso; 2º) guardar bolsas, sacolas e demais pertences no armário, higienizar as mãos antes e após mexer nos armários.
  • Quando terminado o atendimento na recepção, e as pessoas já estiverem dentro do circuito de visitação, o segurança fará a liberação da entrada do visitante da vez a ser atendido.

Circuito de visitação

  • O visitante deve manter o distanciamento social de 2 metros entre uma pessoa e outra durante todo o percurso;
  • Visitas guiadas serão realizadas somente com agendamento prévio. O grupo é de no máximo 10 pessoas, e duração de 40 minutos.

Higienização do circuito expositivo

  • Não há banheiro público no edifício;
  • Não há bebedouro no edifício;
  • Não há portas cuja manipulação seja necessária, por parte dos visitantes;
  • Os corrimãos serão higienizados com álcool 70% no início, no meio e no final do expediente de visitação;
  • O armário da recepção será higienizado com álcool 70% no início, no meio e no final do expediente de visitação.

Maiores informações sobre ingressos e agendamentos (11) 4704-2654
Contato: masj@pateodocollegio.com.br

Read More →
Compartilhe:
Exemple

Encontro Temático – Embu e o Patrimônio: teorias de restauro, práticas de preservação

A partir do processo de restauro e tombamento da igreja de Nossa Senhora do Rosário, vamos abordar e discutir a preservação do patrimônio no Brasil. Haverá certificado para os participantes. O curso é voltado a todos aqueles que se interessam pelo tema e acontecerá no dia 26/10/2019, das 09h00 às 12h00. Curso gratuito.

 

Maiores informações: masj@pateodocollegio.com.br

Local: Museu de Arte Sacra dos Jesuítas. Largo dos Jesuítas, 67. Centro. Embu das Artes – SP.

 

INSCRIÇÕES: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfLwZ9uvGdHzoRTwLGTDAnuFkIc7opD6iS1Zal2Gn59HSkzKg/viewform?vc=0&c=0&w=1

 

Read More →
Compartilhe:
Exemple

Aethiopum semper servus

São Pedro Claver foi um jesuíta espanhol missionário em Cartagena (Colômbia). Nascido em junho de 1580, Claver chegou à América ainda estudante, com exatos 30 anos de idade. Após um ano de trabalho em Bogotá para terminar sua formação, Pedro Claver partiu para Cartagena, cidade portuária onde desembarcavam milhares de escravos chegados da África.

Claver seguiu a vocação missionária inspirado pelo também santo Afonso Rodrigues ainda na Europa. Já em continente americano, Pedro Claver teve contato com o livro “Da salvação dos pretos” do seu predecessor jesuíta Afonso de Sandoval. Este livro tornou-se o código catequístico de Pedro Claver.

Durante toda a sua atividade missionária, Claver dedicou especial atenção aos mais necessitados e marginalizados: os escravos africanos. Os relatos da época contam cerca de 300 mil escravos batizados pelo jesuíta. Para poder catequizar os escravos, Claver formou um grupo de intérpretes negros que o auxiliavam. Assim que aportava um navio negreiro, Claver chegava para ampará-los, consolá-los, batizar os moribundos e curar os doentes. Após o desembarque, passava dias a instruir os escravos e depois batizava-os com nomes cristãos.

No hospital de Cartagena trabalhou intensamente na conversão e cura, tanto dos escravos como de mulçumanos e protestantes. Cumpriu heroicamente seu voto de tornar-se escravo dos escravos durante toda a sua vida.

Em 1650 uma grave epidemia de peste acometeu o colégio jesuíta de Cartagena e Pedro Claver adoeceu, passando longos quatro anos de sofrimento até sua morte em 08 de setembro de 1654. Foi beatificado em 1851 pelo Papa Pio IX e canonizado em 1888 pelo Papa Leão XIII. À época da canonização, Leão XIII afirmou: “Depois da vida de Cristo, nenhuma vida me comoveu tão profundamente como a do grande apóstolo S. Pedro Claver”.

 

Para saber mais sobre a vida do santo jesuíta defensor dos escravos, consulte o acervo da nossa biblioteca. Materiais disponíveis para consulta de terça à sexta-feira, das 9 às 16h30.

Read More →
Compartilhe:

seminárioSEMINÁRIO Menor do Coração de Jesus: Escola Apostólica dos Padres Jesuítas. [Porto: Tip. Costa Carregal, 1932]. 42 p.

 

 

Ler

Read More →
Compartilhe:
Exemple

Textos: At 16, 1-10; Sl 99(100); Jo 15, 18-21.

 

A missão cristã encontra resistência, oposição e perseguição em razão da união dos discípulos com o Senhor (Mt 10, 24-25; Jo 13, 16; 15, 20). É bastante provável que em nosso texto de hoje, “mundo” represente a sinagoga que persegue os cristãos até à morte (cf. At 7; 9, 1-2). No envio dos discípulos, Jesus os prevenia para a possibilidade de resistência violenta contra a missão cristã (cf. Lc 10, 3; Mt 10, 16). Já no prólogo do evangelho, João anuncia a rejeição do Verbo de Deus (cf. 1, 5.10). No diálogo catequético-batismal de Jesus com Nicodemos, Jesus apresenta o motivo da rejeição da luz por parte dos homens: “porque suas obras eram más” (3, 19). É em razão da configuração da vida à Cristo que o discípulo é perseguido (cf. v. 18). Mas, é nessa comunhão com o Senhor que o discípulo deve encontrar o apoio para enfrentar a rejeição, a perseguição e até a ameaça da própria vida, e não sucumbir diante das adversidades próprias da missão. A razão da perseguição ou do ódio do mundo por aquilo que é de Deus é dupla: ignorância e falta de fé. Os perseguidores desconhecem o Pai e, por isso, não reconhecem que Ele enviou Jesus (v. 21). No tempo da perseguição por causa da fé, é preciso olhar para o Senhor que foi perseguido e rejeitado para aprender dele: não obstante toda perseguição, rejeição e traição por parte do seu próprio povo e discípulos, ele sempre se manteve fiel ao Deus que nunca o abandonou.

P. Carlos Alberto Contieri, SJ.

 

Read More →
Compartilhe:
Exemple

Textos: Jr 7, 23-28; Sl 94(95); Lc 11, 14-23.

 

Enquanto sobe para Jerusalém, Jesus vai semeando a vida, não obstante a resistência de seus opositores. O leitor do evangelho está melhor informado do que os que fazem oposição a Jesus, pois ele sabe, pelo relato do batismo, que Jesus foi revestido do Espírito Santo (cf. 3, 21-22; 4, 1.18). Por isso, causa estranheza quando aqueles anônimos fazem a afirmação contrária. O mal que, enigmaticamente, age no ser humano distorce a palavra e torna difícil a comunicação. Um exemplo disso é o relato da torre de babel (Gn 11, 1-9). Efetivamente, o mal confunde, impede de falar bem e de bem falar. A palavra é dada ao homem para a sua comunicação com seu Criador e com os seus semelhantes. A palavra adquire seu pleno sentido no bem dizer e no dizer o bem. O mal interrompe esta comunicação. Jesus, no entanto, restabelece pela sua presença tal intercâmbio. Na segunda parte de sua obra, Lucas diz que é o Espírito Santo quem faz falar as maravilhas de Deus (cf. At 2, 1-11) e dá à palavra seu verdadeiro sentido. Expulsando o demônio que impedia de falar, Jesus faz o mudo renascer para a palavra. Considerar que é por Beelzebul que Jesus expulsa os demônios é um juízo distorcido, equivocado, falta de discernimento. É confundir o Espírito Santo com Beelzebul. Eis aí o verdadeiro mal!

P. Carlos Alberto Contieri, SJ.

 

Read More →
Compartilhe: